Modelagem financeira e Inteligência de Negócio: descubra se a sua empresa precisa

 

Para pensar em Modelagem Financeira e Inteligência de Negócio, uma pergunta deve ser feita: qual o futuro esperado da sua empresa? 

Entender onde você pretende chegar é primordial para qualquer empreendimento e a Modelagem Financeira é uma ferramenta essencial para realizar a projeção do seu negócio e auxiliar nas tomadas de decisões.

 

O que é a Modelagem Financeira e Valuation

A Modelagem Financeira consiste em um instrumento utilizado para auxiliar na tomada de decisão para novos negócios ou investimentos. É uma ferramenta que traduz, em números, a realidade de um negócio. Ela embasa diversas medidas que uma empresa implanta para provisionar e acompanhar seu desempenho financeiro.

A modelagem pode ter inúmeras saídas, dentre elas valuation, em tradução direta, quer dizer avaliação da empresa, ou seja, ele estipula, por exemplo, com base na expectativa de fluxo de caixa futuro, qual será o valor da instituição. 

Quer conversar com um de nossos profissionais e entender o que esse serviço pode funcionar para o seu caso especificamente? Clique aqui para conversar com um profissional.

 

O que é inteligência de negócio?

O Business Intelligence ou Inteligência de Negócio é responsável por coletar, reunir e disponibilizar informações sobre o negócio, mercado ou setor em todos os seus aspectos. Isso quer dizer que não é necessariamente uma perspectiva exclusivamente, financeira, mas um plano que olha para outras áreas do negócio que interceptam o financeiro. Por isso ela é tão importante e atua como um grande suporte para a gestão empresarial. 

Se você nunca ouviu falar sobre o business intelligence não sabe por onde começar, fale com a nossa equipe e descubra as possibilidades.

 

Onde a modelagem financeira pode ser usada?

Verdadeira aliada para os gestores financeiros, assim como para os investidores, a Modelagem Financeira pode ser usada para avaliações de potenciais empreendimentos internos ou de expansão, reestruturação financeira, avaliação de uma empresa, apoiar empresas que irão concorrer a licitação público-privadas, fusões e aquisições, reorganização societária e até mesmo servir de insumos para embasar as tomadas de decisões. 

 

Quais os modelos de gestão financeira

Toda empresa, independente do seu tamanho, precisa de uma gestão financeira eficiente. Ela envolve o planejamento, a análise e o controle das finanças. Separamos aqui alguns modelos de gestão financeira que podem ser adotados em sua instituição, visando aprimorar sua gestão:

  • Fluxo de caixa
  • Controle de estoque
  • Gestão de contas a pagar e receber 
  • Controle do capital de giro
  • Balanço patrimonial 
  • Gestão de notas fiscais

Sua empresa trabalha bem todos esses modelos? Para ter sucesso é imprescindível gerir todas essas frentes com o olhar voltado à otimização da gestão financeira. Se você trabalha algum desses pontos, mas não sabe como desenvolvê-lo ou integrá-lo a outros, vale contar com a ajuda de um especialista capaz de te ajudar a planejar tudo isso. 

 

Como montar uma modelagem financeira?

Identifique os objetivos empresariais e estabeleça metas. Para iniciar qualquer modelo financeiro é imprescindível que se tenha um norte das premissas básicas ligadas àquele negócio. A partir daí começa um trabalho conjunto entre a equipe que elaborará o projeto e o cliente, para que, partindo de uma metodologia própria, todos os aspectos e perspectivas relacionadas ao negócio sejam consideradas. É interessante também que o profissional que realizará esse trabalho tenha conhecimento amplo do mercado de ações, afinal, um dos objetivos da modelagem financeira é a possibilidade de conquistar investidores para o negócio. . Dica de ouro: garanta que seu resultado final te permita testar diferentes cenários, para descobrir os melhores caminhos e obter os resultados esperados.

E, claro, não perca o monitoramento de vista. Lembre-se de analisar os resultados reais ao longo dos meses e fazer as alterações necessárias dependendo do resultado. Caso não seja feito, a modelagem perderá seu objetivo e não será possível ter a visão futura do negócio. Caso precise de ajuda para dar continuidade ao projeto conte conosco. 

 

Quais as principais ferramentas para fazer modelagem financeira

No mercado existem diversas ferramentas para a realização da Modelagem Financeira, mas a principal é a mais usada é o Microsoft Excel. Ele permite construir diferentes modelos, extremamente personalizável, possibilitando o uso do formato que melhor traduz o seu negócio, personalizada e trazendo diferentes cenários.

É um profissional do mercado financeiro e deseja melhorar suas habilidades e aprender a construir um modelo financeiro do zero? Nós oferecemos um Treinamento de Modelagem Financeira, na prática para aqueles profissionais que desejam se destacar no mercado. Ensinando nossa metodologia aplicada já a centenas de projetos entregues, ao final do curso você será capaz de construir modelos financeiros do zero!

 

Veja exemplos de modelagem financeira

A Crescento, há 6 anos, apoia empresas dos mais variados setores na construção de modelos financeiros com objetivos diversos como apoio em licitações, reorganização societária, avaliação de negócios, captação de investimentos, e muito mais. Acesse um dos nossos cases de sucesso.

 

Case Saber em Rede

 

Conheça os principais serviços envolvidos na inteligência de negócios

Vivemos na sociedade da informação. Dados, informações e análises são fundamentais para a Inteligência de Negócio. Além de reunir dados na elaboração deste serviço, você garante: 

Planos de negócios 

Estudo de mercado 

Análise de dados

Precificação de produtos e serviços 

Planilhas e dashboards (vba, macros e power bi)

 

Tudo o que você precisa de saber sobre o CFO as a service

 

Não importa o tamanho da empresa, o CFO é um cargo muito importante para o desenvolvimento financeiro do negócio. 

O CFO é responsável pela direção financeira da empresa, ou seja, ele irá cuidar de todas as finanças e tomar as decisões financeiras do negócio. Porém, hoje conseguimos encontrar empresas que oferecem esse cargo como um serviço, chamado de CFO as a Service. Quer entender mais sobre o cargo e as possibilidades desse serviço? Continue lendo que iremos contar tudo que você precisa saber sobre esse serviço.

 

O que o CFO as a service

Assim como o profissional que ocupa esse cargo, o serviço é responsável pela avaliação e análise dos indicadores financeiros. Essa ação será a base para a tomada de ações, para propor estratégias e medidas alcançando melhores resultados. 

Ou seja, a partir dos relatórios financeiros, o profissional que executa o serviço traduz as informações e cria planos de ações estratégicas visando a melhoria e agregando valor à instituição. Em algumas empresas que oferecem esse serviço, o contratante também contará com reuniões periódicas com a diretoria da empresa, para que todos os planos sejam discutidos e aprimorados. 

Mas qual a diferença entre possuir um profissional dentro de sua equipe e contratar esse serviço? Bom, o CFO as a Service irá aprimorar a gestão financeira que já existe na sua empresa, pois traz a expertise do diretor financeiro externo. E detalhe: faz isso sem o custo da contratação do profissional exclusivo para a área, que pode ser bem custosa, e dentro de alguns cenários nem tão necessária, considerando uma jornada de trabalho completa de 44 horas semanais.

 

Como saber se minha empresa precisa deste serviço

Por esse cargo ser responsável por grande parte das demandas financeiras estratégicas, é imprescindível ser ocupado por alguém com alto nível de experiência na área. Ou seja, isso pode demandar um valor alto de salário, maior que a contratação de um especialista externo. Se você busca por otimizações, o CFO as a Service vai te proporcionar: 

  • Redução e flexibilidade dos custos
  • Boa gestão de riscos financeiros
  • Mapeamento de pontos de melhoria
  • Direcionamento para tomada de decisão e/ou tomada de decisão embasada
  • Elaboração de planos estratégicos
  • Experiência em captação de recursos

Após ver todas as vantagens, considera que a sua empresa precisa deste serviço? Clique aqui e converse agora com um de nossos consultores.

 

Qual o valor de um serviço de CFO as a service

Assim como a maioria dos serviços relacionados às finanças, o CFO as a Service, é personalizado. Ou seja, seu valor vai depender das demandas do negócio e seu porte. Faça uma avaliação agora.

 

Consultores para CFO as a service

Hoje, existem no mercado algumas consultorias financeiras que oferecem esse serviço dentro do BPO Financeiro, nós da Crescento somos uma delas. 

Nossa equipe é composta por diversos profissionais especialistas em finanças e assim entregamos um serviço completo de consultoria financeira empresarial, auxiliando nossos clientes a atingirem o objetivo esperado e muito além dele. Conheça nossa equipe.

Na hora de contratar, fique ligado e tenha a certeza de que está entregando a saúde financeira do seu negócio na mão de um especialista com know how e com uma proposta de trabalho alinhada ao que você acredita. 

 

Planejamento e Análise Financeira: conheça mais sobre o FP&A

 

Assim como em nossa vida, o planejamento financeiro empresarial é indispensável. Afinal, garanto que você não quer perder dinheiro e deixar de ver seu negócio crescer. Por isso é importante falarmos de FP&A – Planejamento e Análise Financeira. 

A rotina de planejar e, é claro, analisar, é importante para qualquer aspecto da sua vida. Só assim você tem clareza de onde está e onde quer chegar, encontrar o caminho ideal e corrigir o percurso, caso seja necessário, antes que um problema apareça. Parece até magia, não é? 

Continue lendo, para saber tudo sobre Planejamento e Análise Financeira Empresarial.

 

O que o é FP&A

A sigla, em inglês, Financial Planning and Analysis significa Planejamento e Análise Financeira. Este serviço tem como principal objetivo aprimorar a gestão do seu negócio, a partir de análises criteriosas da situação financeira e criação de um planejamento com previsão de despesas e receitas, além de um orçamento detalhado, oferecendo a você informações reais do mesmo. Quer saber como? 

 

O que faz a área de FP&A

Analistas altamente capacitados e com experiência na área empresarial fazem um estudo completo, analisando a situação interna da empresa e também o mercado. Esse é o primeiro passo para projetar objetivos alcançáveis dentro da realidade do seu negócio e do mercado. 

Além de elaborar o orçamento, o profissional deve acompanhar todo o desenvolvimento financeiro, o que foi pago, qual foi o lucro, o custo operacional, dentre outros. Tudo isso deve ser comparado com o que foi planejado e analisando os resultados realizados e esperados. 

Periodicamente são feitos relatórios gerenciais que são apresentados para toda a equipe gerencial e diretiva. Algumas empresas que fazem o serviço de FP&A, como a Crescento, por exemplo, oferecem ao cliente dashboards Inteligentes, entregando assim, por meio de gráficos interativos e extremamente visuais, respostas rápidas sobre a saúde financeira da empresa.

Quer conhecer profundamente esse serviço? Converse com um de nossos analistas.

 

Qual a importância do Planejamento e Análise Financeira para Empresas

Já imaginou gerenciar o seu negócio sem imprevistos financeiros?! E o melhor, garantir o tão sonhado fluxo de caixa positivo e capital de giro intacto para acabar com as dores de cabeça?! Tudo isso é possível com a ajuda do FP&A!

O Planejamento e Análise Financeira identifica as fragilidades do negócio e auxilia na prevenção de problemas ao longo da trajetória da empresa. Com esse serviço, a chance de você ter um susto financeiro é menor, uma vez que o objetivo é sempre antever os próximos passos, e as tratativas de redesenhar os planos, no caso de alguma interferência, são mais fáceis de serem executadas.  

 

Qual a diferença entre controladoria e FP&A

Responsável pela análise de dados financeiros para a criação de um planejamento, a FP&A depende da precisão e veracidade das informações financeiras geradas pela tesouraria. 

Ou seja, o serviço de tesouraria gera precisão e integridade das informações financeiras da empresa. Já o Planejamento e Análise Financeira, analisa esses dados e a partir deles cria estratégias, métodos e planos de ações que auxiliarão a alcançar as metas previamente estabelecidas.

 

Como saber se a minha empresa precisa do serviço de Análise e Planejamento Financeiro

Você sabe quais os próximos passos da sua empresa e o que ela precisa fazer para chegar lá? Consegue bater metas de lucro? Consegue ter previsibilidade de caixa? Seu negócio está preparado para as oscilações do mercado? Tem relatórios precisos mensais e trimestrais para avaliar a rota que tem seguido?

São inúmeros os cenários que o FP&A previne e evita dores de cabeça ao empreendedor. A questão não é o “se” você precisa do serviço. E sim, as melhorias na rotina que ele trará. 

Se você deseja evitar imprevistos, estabelecer metas, ter informações de fácil acesso para tomar as melhores decisões e muito mais, procure um profissional da área ou converse com um de nossos analistas. Entenda as mudanças que o seu negócio pode ter e onde ele pode chegar.

 

BPO Financeiro: o que é e quando contratar

 

O dia-a-dia de um empreendedor é repleto de desafios que, muitas vezes, fogem de suas habilidades e, diante disso, é preciso buscar ajuda externa. Por sorte, hoje, temos diversos produtos especializados que nos auxiliam a alavancar nossos negócios e, até mesmo, gerir nossas empresas. O BPO Financeiro é um desses serviços e neste conteúdo você irá entender tudo que precisa sobre ele.

 

O que é o BPO Financeiro

BPO, sigla de Business Process Outsourcing, é a terceirização de processos de negócio. Ou seja, BPO Financeiro é um serviço contratado que irá ajudar a gerenciar as contas e finanças da sua empresa, te entregando no final do dia e do mês uma confiança de que o financeiro da sua empresa está sendo operado por quem tem profundo entendimento do assunto e te trará informações e insights precisos sobre seu negócio.

Além disso, alguns serviços de BPO atuam de forma integrada com toda a gestão da empresa, visando gerar informações rápidas, aumentar a produtividade da equipe e a confiabilidade dos dados. Um exemplo, o comercial precisa constantemente reportar ao financeiro os contratos fechados, portanto a gestão de contratos de uma empresa é fundamental que seja compartilhada com o financeiro para que se tenha uma projeção de fluxo de caixa bem alinhada à realidade.


No caso do serviço de BPO, oferecido pela Crescento, este pode incluir a gestão da tesouraria, FP&A e o CFO as a Service.

 

Como saber se a minha empresa precisa deste serviço

É indicado para pequenas empresas e também para aquelas que querem garantir que sua equipe do financeiro esteja alinhada com o desenvolvimento e crescimento sustentável do seu negócio.

A terceirização é uma excelente opção se você deseja que a equipe tenha mais tempo para focar no estratégico, se seu custo operacional está elevado ou se as demandas são complexas além da capacidade do time. Vale se perguntar: a pessoa responsável pelo financeiro do meu negócio possui conhecimento extenso nessa área, conhece a fundo sobre gestão financeira, está disposta a enfrentar desafios, se dedicar a fim de oferecer transparência e melhores resultados?

Uma consultoria financeira especializada traz a experiência de diferentes negócios e está preparada para diferentes cenários. São profissionais focados na sua dor, que entendem profundamente do assunto, dominam as melhores práticas do mercado e querem solucionar o seu problema.

O BPO é um serviço capaz de te auxiliar a reduzir riscos e falhas em seus processos, e, consequentemente, reduzir custos financeiros. Esse é o desejo de qualquer empreendedor, concorda? Então nossa dica é, caso não tenha uma pessoa responsável por isso em sua empresa, vá em busca desse serviço. Caso tenha interesse em conversar com um de nossos especialistas, clique aqui. 

 

Quem faz o BPO Financeiro

O profissional responsável por esse serviço deve ser especializado em Gestão Financeira. Pode ser freelancer ou membro de uma empresa especializada em consultoria e assessoria financeira, como a Crescento. 

Na hora de contratar, tenha a certeza de estar depositando a saúde financeira do seu negócio nas mãos de alguém que realmente entende e tem experiência no assunto.

 

Quais os serviços integram um BPO Financeiro

Como a maioria dos serviços financeiros, o BPO também deve ser algo personalizado e idealizado para a rotina, segmento, objetivo e cenário da empresa. Porém, alguns serviços são essenciais para a realização eficiente dele: 

  • Tesouraria: aperfeiçoamento da gestão do fluxo de caixa através da classificação assertiva dos lançamentos de contas, definição de rotina, processos financeiros e monitoramento do caixa. 
  • FP&A: aprimoramento da gestão do negócio por meio do aumento de transparência, análise de dados e fornecimento de informações para uma melhor tomada de decisão.
  • CFO as a Service: aprimoramento da gestão do negócio por meio da expertise de um diretor financeiro, evitando a contratação de profissional exclusivo. O diretor financeiro utiliza os insights e as análises financeiras e aconselha os gestores sobre as melhores decisões a serem tomadas. 

 

Quanto custa o serviço de BPO Financeiro

Por ser um serviço personalizado, alguns fatores são levados em conta na hora de precificar, tais como o regime tributário da empresa, o volume de transações, o porte, quais atividades e/ou serviços serão realizados, entre outros. 

Quer fazer um orçamento com nossos profissionais? Clique aqui e agende sua avaliação.

 

Quais as vantagens de fazer o BPO

São inúmeras as vantagens de contratar um serviço de BPO Financeiro, vamos listar aqui as principais: 

  • Planejamento e fluxo de caixa
  • Controle de contas a pagar e receber
  • Informações de fácil acesso
  • Criação e/ou otimização de plano de contas
  • Estruturação de orçamento
  • Acompanhamento do orçado x realizado
  • Análises de novas linhas de receita
  • Criação de relatórios e análise
  • Mapeamento de pontos de melhoria 
  • Elaboração de planos estratégicos

Essas são apenas algumas das vantagens que o seu negócio pode ter. Quer conhecer mais? Clique aqui e conheça mais sobre o nosso serviço de BPO Financeiro. 

Consultoria Financeira Empresarial: tudo que você precisa saber para o seu negócio prosperar


A consultoria financeira empresarial também pode ser conhecida como um “Divisor de águas”. Afinal, ela separa as empresas com objetivos, metas traçadas e clareza do seu futuro, daquelas que vivem no escuro, sem saber se estão tendo lucro ou prejuízo, com objetivos turvos, distantes e sem perspectiva de como estarão no futuro.

Mas, antes de tudo, vou te fazer algumas perguntas e peço honestidade na hora de respondê-las. Você sabe me dizer quanto faturou nos últimos 3 meses? Como e onde é feito o seu fluxo de caixa? Sua empresa gasta mais do que ganha? Onde imagina sua empresa daqui a 5 anos? Qual é o cenário dela agora?

O financeiro é o coração de qualquer empresa. E entender o seu negócio, tendo respostas na ponta da língua e informações de fácil acesso, faz toda a diferença na hora de tomar uma decisão importante. Pensando nisso, neste conteúdo você irá entender tudo sobre a Consultoria Financeira Empresarial e como esse serviço pode potencializar a sua gestão financeira e mudar o futuro da sua empresa. 

 

O que é uma consultoria financeira e como ela impacta no seu negócio

Serviço terceirizado que tem como principal objetivo diagnosticar problemas financeiros, propondo soluções viáveis para a realidade da empresa a fim de alavancar de fato os negócios.

Através da Consultoria Financeira, os gestores e/ou sua equipe administrativa podem mudar sua forma de pensar sobre o negócio. Afinal, são capazes de tomar decisões mais certeiras para o futuro da corporação, tendo informações mais rápidas, dados mais assertivos, o que pode reduzir gastos, contribuir para uma maior previsibilidade do fluxo de caixa e muito mais. 

 

Qual o valor de uma consultoria financeira empresarial

Por ser um serviço personalizado e idealizado para cada realidade, o valor é relativo. Pode variar, por exemplo, conforme o tamanho da empresa e suas demandas. Porém, vale entender que existem duas diretrizes para esse trabalho: serviços pontuais – com início e fim definidos, e serviços contínuos – gestão financeira contínua. Para entender mais a respeito dos serviços acesse: (https://www.crescento.com.br/para-sua-empresa/

 

O que faz uma empresa de consultoria financeira

Uma empresa de consultoria financeira é responsável por apoiar a gestão financeira do seu negócio através da elaboração de projetos financeiros, incluindo análise de todos os dados do negócio, estudo de mercado e assessoria personalizada durante todo o período trabalhado. 

É considerado o verdadeiro braço-direito dos clientes, no que tange a administração financeira do negócio. Podem ser desenvolvidos por ela diversos tipos de serviços, alguns mais especializados que outros, dependendo da maturidade do negócio e do objetivo de cada gestor. Por exemplo: BPO Financeiro, Planejamento e Análise Financeira do negócio, Estudos de Mercado, Serviços de Assessoria Financeira como o apoio em Fusões e Aquisições, Reorganização Societária, Valuation, Reequilíbrio de Contrato, apoio em licitações público-privadas entre outras.

 

O que devo saber para contratar uma consultoria financeira para empresas

Escolher qual consultoria financeira é ideal para seu negócio é primordial. Mas como tomar essa decisão da melhor forma possível? 

Separamos aqui algumas dicas para ajudar você a se decidir com clareza e sem dor de cabeça:  

. Responsabilidade com processos e pessoas: priorize as empresas que tratarão o seu negócio como único, ou seja, que ofereçam serviços realmente personalizados, que mergulham na realidade do negócio para entender a dor e saber qual a melhor solução. Afinal, não existe fórmula mágica para lidar com finanças. E cada cenário e realidade precisa de uma forma de agir específica. 

. Nível de expertise na área: procure empresas que tenham variedade de clientes e contam com uma equipe especializada no assunto, Conheça nossa equipe e nossos clientes. 

. Entenda o papel da consultoria financeira: fazer uma pesquisa prévia e entender qual é o serviço que soluciona o seu problema, pode ajudar você a tomar a melhor decisão para seu negócio.

. Veja se a empresa tem especialistas no seu serviço: existem diversos serviços possíveis em uma consultoria financeira empresarial. Veja se a sua contratação conta com especialistas no serviço que você vai utilizar.

. Pesquise a metodologia e tire suas dúvidas: antes de fechar qualquer serviço, marque uma conversa com a empresa que escolheu, tire suas dúvidas e esclareça os próximos passos.

. Cuidado com o conflito de interesses: procure consultorias independentes. Há consultores que recebem comissão de determinadas fontes mediante indicação. Essa não é uma prática saudável. Procure consultores financeiros que tenham independência e possam te indicar as melhores opções reais para o seu negócio. 

Pronto, agora você já está preparado para encontrar a Consultoria Financeira ideal para sua empresa. Mas, para mais informações, você pode falar com a comunidade Crescento.

 

Quais as vantagens de uma consultoria financeira empresarial

Ter clareza nos assuntos relacionados ao dinheiro e ao futuro fazem a diferença em qualquer aspecto de nossa vida. Ainda mais quando falamos de um negócio, seja pequeno, médio e, até mesmo, de grande porte. Esse assunto permeia todos os aspectos, é o dinheiro que mantém a ideia de pé e os setores funcionando. 

Ainda não acredita em todas as vantagens desse serviço? Temos certeza que após esse tópico, você irá mudar de ideia. 

Informações rápidas, aumento de produtividade, clareza, previsibilidade de fluxo de caixa, segurança financeira e redução de gastos são apenas algumas das vantagens que o Serviço de Consultoria Financeira é capaz de oferecer a você e seu negócio. 

Além disso, auxilia você a criar um planejamento para estabelecer objetivos macros e pequenas metas para assim obter o desenvolvimento de sua empresa. Quer saber mais o que pode ser feito para sua realidade? Converse agora mesmo com um de nossos consultores.

 

Conheça os principais serviços que envolvem uma consultoria financeira

Como já citamos aqui, cada caso é um caso. Por este motivo temos diferentes serviços de consultoria financeira que atendem diferentes demandas, como:

Assessoria financeira projetos pontuais que dividimos em:

  • Assessoria: modelagem financeira, avaliação de negócios (valuation), fusões e aquisições, reorganização societária, apoio em licitações público/privadas, captação de investimento.
  • Inteligência do negócio: estudo de mercado, plano de negócios, análise de dados, precificação de produtos e serviços, planilhas e dashboards

BPO Financeiro:

 

BPO Financeiro

Serviço que irá auxiliar em todos os processos que gerem uma empresa, além de ajudar a gerenciar as contas do negócio, o BPO Financeiro é capaz de otimizar o controle das atividades de caixa, gerando previsibilidade e apoiando a sua equipe administrativa. Além disso,   geram gráficos e relatórios completos e didáticos sobre a situação financeira para que até pessoas que não dominam o assunto possam entender e tomar decisões estratégicas a partir deles. 

Empresas de BPO Financeiro são indicadas para pequenas empresas ou empresas que possuem uma equipe administrativa reduzida. Algumas consultorias financeiras empresariais oferecem também esse serviço.

Responsável por aperfeiçoar a gestão do fluxo de caixa de uma empresa, o serviço de Tesouraria  realiza pagamentos e cobranças, classifica os lançamentos de conta, define uma rotina assertiva, cria processos financeiros e monitora o caixa. Isso tudo para entregar controle, planejamento e também previsibilidade do fluxo de caixa da empresa. 

Terceirizar a tesouraria ainda elimina a necessidade da empresa passar por processos de contratação e capacitação cansativos. Dando a certeza de um trabalho eficiente e que entregará resultados significativos já nos primeiros meses, com dados precisos e corretos. 

Ficou curioso, né? Marque uma conversa com um de nossos especialistas e saiba tudo que esse serviço pode fazer para o dia a dia de sua empresa.

 

Planejamento e Análise financeira (FP&A)

Você confia 100% nos números do seu negócio? Toma suas decisões com base nesses dados? Esse é um ponto crítico para a vida de qualquer empresa. Afinal, se você confia nos dados e eles apresentam incompatibilidade, por mínima que seja, você está correndo um grande risco de tomar decisões equivocadas que podem acarretar sérios prejuízos financeiros ao negócio. 

Complexo, né? Mas essas são as principais funções do Planejamento e Análise Financeira. Serviço desenvolvido por analistas altamente capacitados e que garante confiabilidade nos números e tomadas de decisões mais rápidas e assertivas.

A FP&A aprimora a gestão do seu negócio, entregando transparência e fornecendo informações reais por meio da elaboração de orçamento, acompanhamento do desempenho, análise de resultados e dos objetivos esperados, emissão de relatório gerenciais, dashboards inteligentes e muito mais. 

E aí, você confia nos seus dados? Adicione transparência e agilidade na rotina do seu negócio. Converse com um de nossos analistas.

 

CFO as a Service

CFO é o nome dado ao cargo de Diretor Financeiro, além da expectativa salarial alta, o ocupante do cargo deve oferecer à empresa um alto conhecimento na área de finanças e relacionamento com agentes do mercado diversas skills e, com isso, sua empresa ganha segurança em diversos aspectos do dia a dia. Ele é o cara que irá tirar análise crítica sobre os dados e conduzirá as tomadas de decisão financeiras da empresa.

Algumas empresas de consultoria financeira, como nós da Crescento, oferecem o serviço de CFO as a Service, que aprimora a gestão do negócio, agregando a expertise de um diretor financeiro, evitando a contratação de profissional exclusivo, que sem dúvida seria muito mais custosa e, por vezes, desnecessária considerando o tamanho da demanda existente.

Visando traduzir os números gerados pelo Planejamento e Análise Financeira, criando planos de ação estratégicos, agregando valor ao negócio e participando de reunião com a diretoria para validar planos e alcançar os resultados esperados.

 

Assessoria Financeira: Modelagem, Inteligência do Negócio, estudo de mercado e plano de negócios

Outra modalidade de serviço de uma Consultoria Financeira, onde o serviço é pensado a partir da elaboração de projetos financeiros, análise de dados e estudo profundo de mercado. Considerando que realidade de cada negócio é única, sendo seu maior objetivo é contribuir para realizar as melhores tomadas de decisão.

Conseguiu identificar como anda a saúde do seu negócio? Não deixe em segundo plano a organização financeira, como falamos aqui. Isso pode ser um divisor de águas para sua empresa.

 

Saúde Mental e Saúde Financeira: Equilibrando a Mente e o Bolso

texto por Mariana Celete

O que é Saúde Mental?

Antes de falar da importante relação entre Saúde Mental e Saúde Financeira, devemos entender o que é Saúde Mental. Podemos pensar a Saúde Mental por vários aspectos, mas gostaria de começar trazendo o conceito da Organização Mundial da Saúde (OMS) que a define como

“um estado de bem-estar em que o indivíduo realiza suas capacidades, supera o estresse normal da vida, trabalha de forma produtiva e frutífera e contribui de alguma forma para sua comunidade”.

Este conceito pode parecer simples e as vezes até óbvio, mas na prática pode não ser tão simples assim. O debate sobre a importância de falarmos sobre a saúde mental têm aumentado nos últimos anos, mas o sofrimento psíquico continua sendo pouco reconhecido e legitimado não apenas no senso comum, mas também nos ambientes familiares, de trabalho e até nas políticas públicas. Quantas vezes já ouvimos: “Você não tem nada, isso é só psicológico”; “isso tudo é coisa da sua cabeça “ou “se você realmente se esforçar, você vai sair dessa”. Poderia ficar descrevendo inúmeras situações e falas ainda muito recorrentes, onde fica claro que esta conscientização ainda precisa ser muito disseminada.

A importância da prevenção

No mundo ideal, a prevenção ainda é uma grande alternativa. Reconhecer e valorizar que a forma como conduzimos a nossa vida, a forma como elaboramos e lidamos com nossas emoções são essenciais para prevenir, perceber e tratar daquilo que nos afeta.

O processo de adoecimento nunca acontece de uma hora para outra e sem nos avisar. Começamos com algum incômodo, uma tensão, uma alteração no apetite, no sono e até alterações nos nossos exames; acarretando futuras doenças. Se escolhermos um caminho de negligências, mais cedo ou mais tarde esta conta chega, seja ela pela via física ou emocional; afinal temos a tendência de deixar estas questões de lado, acreditar que vai passar, ou que é apenas uma fase.

O que isso tem a ver com Saúde Financeira? T-U-D-O

A relação entre saúde mental e a forma como lidamos com o dinheiro é uma via de mão dupla, pois ambas têm um fator comum: as emoções! Quem nunca ouviu a seguintes frases: “Hoje foi um dia tão difícil, eu estou merecendo comprar alguma coisa”, “Estou tão feliz, vamos comemorar sem pensar no amanhã” ou ainda “Dinheiro foi feito para me fazer feliz”. São inúmeros os exemplos que posso relatar, mas o que quero dizer é que muitas vezes o que sentimos têm influência direta na forma pela qual administramos nosso dinheiro.

Ter saúde mental é não viver em função do dinheiro, nem viver sem pensar nele. É ter parcimônia, controle, saber fazer escolhas e saber aproveitar tudo que ele nos traz. É inevitável, vivendo em um mundo capitalista, que precisemos saber lidar com o dinheiro. Mas ele não deveria ser o motriz da nossa vida. Saber o que nos inspira, o que nos motiva, o que nos faz acordar todos os dias deveria vir em primeiro lugar. Em seguida, podemos pensar que o dinheiro pode ser capaz de me ajudar a realizar muitos sonhos; mas que ele também deve ser capaz de me levar até o futuro.

Lembro de ter trabalhado, em consultório, muitos casos onde a forma de se relacionar com o dinheiro não era sadia. Um caso específico me chamou bastante atenção na época – um homem, na meia idade, muito bem-sucedido profissionalmente me procurou porque havia passado a vida inteira almejando crescer e fazer muito dinheiro. Passou grande parte da vida com este objetivo e quando foi alcançado, percebeu que estava sozinho. Não construiu uma família, não manteve seus amigos e os pais estavam bem idosos. Sentiu um grande vazio e percebeu que ter o dinheiro que queria, mas viver sozinho, não fazia o menor sentido.

Para mim, o grande segredo da vida emocional e financeira é saber elaborar o que nos aconteceu no passado, para que no presente eu seja livre para construir o meu futuro.


Quer saber mais?

Durante o mês de setembro, decidimos trazer o tema da saúde mental de uma perspectiva diferente: durante os seis anos de trajetória da Crescento, apoiando pessoas e empresas com acompanhamento financeiro, pudemos perceber o quanto a saúde mental e as emoções também afetam a vida financeira. Pensando nisso, convidamos dois profissionais experientes, o Psiquiatra David Sender e a Psicóloga Neíla Kessler para uma bate-papo sobre Saúde Mental e Saúde Financeira. O papo tá muito rico e você pode conferir clicando aqui.

Se quiser acompanhar os melhores momentos dessa conversa que traz dados, experiencias e dicas úteis veja spoliers aqui.

conheça melhor como a Crescento pode te ajudar a ter mais saúde financeira aqui.

Sua empresa está no regime de tributação mais eficiente?

Regime de Tributação

 

A escolha do regime de tributação é uma decisão estratégica importante que todo gestor deve tomar ao iniciar sua empresa. A opção escolhida terá impacto direto na eficiência tributária da empresa e na disponibilidade de recursos financeiros para investimentos. O conhecimento sobre os regimes de tributação praticados no Brasil e suas taxas é fundamental para a construção da modelagem financeira, seja qual for o objetivo da empresa.

As Deduções sobre receita e os IRPJ/CSLL que incidem sobre as empresas devem ser conhecidos e gerenciados de forma adequada para que a empresa possa manter uma posição financeira saudável. A modelagem financeira necessita do conhecimento sobre os regimes de tributação praticados no Brasil e suas taxas. Legalmente, o imposto é encarado como um direito do governo. Desta forma este valor não pertence a empresa, ela apenas atua como intermediária (veículo de arrecadação).

 

Regimes de tributação

Segundo o Código Tributário Nacional

“imposto é o tributo cuja obrigação tem por fato gerador uma situação independente de qualquer atividade estatal específica, relativa ao contribuinte”

Os valores arrecadados têm como fundamento atender as despesas gerais do Estado em todas suas esferas (federal, estadual e municipal). Os impostos que incidem na atividade empresarial (pessoas jurídicas) formam duas categorias: as deduções sobre receita e o IRPJ/CSLL.

• Deduções sobre receita: Incidem diretamente sobre a receita bruta, eles são cobrados do contribuinte que tem a responsabilidade por cumprir essa obrigação. São gerados simultaneamente ao fato gerador de receita. São eles: ISS, IPI, ICMS, PIS e COFINS.

• IRPJ/CSLL: São contribuições obrigatórias da empresa junto ao governo que incidem no cálculo do lucro do exercício social. Assim, em alguns casos, podem não ter relação direta com a receita bruta. São eles: IRPJ, CSLL.

Regimes de tributação no Brasil

No Brasil, existem três regimes tributários diferentes que regem as alíquotas de contribuição para as empresas: Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real. A escolha do regime de tributação declarado pela empresa sempre será feita no início do ano, não podendo mudar ao longo do exercício social. Para os empresários, é preciso uma avaliação criteriosa dos benefícios de cada possibilidade, sempre visando reter a maior quantidade de caixa possível.

• O Simples Nacional

É voltado para microempresas e empresas de pequeno porte. A apuração do valor a ser pago segue o faturamento bruto da empresa nos últimos 12 meses que é pago em uma única guia – o DAS (documento de arrecadação do Simples Nacional). Este regime é limitado para empresas com faturamento anual máximo de 4,8 milhões de reais. Existem uma série de requisitos que a empresa deve cumprir para se enquadrar no Simples Nacional, confira a descrição completa dos itens no site da Receita Federal.

 

É um regime tributário com a finalidade de simplificar o pagamento de tributos. Suas alíquotas variam de 4% a 22,90%, divididas em cinco anexos que contemplam os mais variados ramos e atividades econômicas. Os anexos do simples nacional são subdivididos pela atividade da empresa, são elas: Anexo I – Comércio, Anexo II – Indústria e Anexo III, IV e V – Serviços.
O setor de serviços é distribuído em três anexos diferentes, neste caso a consulta sobre qual anexo a empresa se encaixa deve levar em conta seu CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas).

• O Lucro Presumido

Neste regime, a apuração o IRPJ e o CSLL é feita com base em uma presunção do lucro baseado na categoria na qual a empresa se encaixa. Os requisitos para optar por esta modalidade são:

i) limite de receita anual máxima de R$78 milhões

ii) não ser uma empresa de factoring

iii) não usufruir de benefícios fiscais.

 

É uma forma de tributação simplificada para estabelecer a base de cálculo do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) das empresas. O Lucro Presumido pode ser a escolha de empresas que faturam até R$78 milhões por ano, além de, também, ser indicado para aquelas com lucro elevado e que não apresentam a obrigatoriedade de se enquadrar no Lucro Real.

No Lucro Presumido, independente do resultado obtido no período de apuração, a tributação incidirá sobre a margem prefixada. Assim, é necessário ter muita atenção, pois, se a margem de lucro efetiva for abaixo da prefixada ou até mesmo negativa, os impostos serão mensurados sobre a margem presumida.

Diferente do Simples Nacional, os impostos e contribuições são pagos em guias individuais, resultando em uma contabilidade um pouco mais complexa. Os impostos sobre a receita bruta são apurados mensalmente, o IRPJ e o CSLL são determinados por períodos de apuração trimestrais, encerrados nos dias 31 de março, 30 de junho, 30 de setembro e 31 de dezembro de cada ano-calendário. Existe ainda uma apuração anual, na qual você paga um valor provisionado mensalmente e faz o fechamento anual, a partir da alíquota determinada.

• O Lucro Real

É o regime utilizado pelas empresas de grande porte e é baseado no lucro efetivo obtido no período de apuração. Se trata de um regime mais complexo, que exige uma contabilidade mais elaborada e tem alíquotas mais elevadas do que os outros regimes. Por outro lado, permite que determinadas empresas possam se beneficiar aproveitando crédito de PIS e COFINS.

 

A escolha do regime de tributação adequado pode ajudar a reduzir a carga tributária da empresa, tornando-a mais competitiva no mercado e proporcionando recursos financeiros para investimentos e crescimento. Por isso, é fundamental que o gestor avalie cuidadosamente cada regime e suas implicações antes de tomar a decisão final.

 

A Escolha do Regime de Tributação

A escolha do regime de tributação declarado pela empresa sempre será feita no início do ano, não podendo optar pela mudança ao longo do exercício social. Uma empresa só altera o seu regime tributário obrigatoriamente, por força maior no caso de  Para os empresários, é preciso uma avaliação criteriosa dos benefícios de cada possibilidade, sempre visando a maior economia tributária possível.

A modelagem financeira é uma ferramenta que permite simular fluxos futuros e definir de forma otimizada o regime de tributação mais coerente para cada ano de um projeto ou empresa. Este planejamento fiscal pode ser fundamental para que as projeções sejam positivas. 

É importante destacar que empresas enquadradas no anexo IV do Simples Nacional, no Lucro Presumido ou Lucro Real recolhem o INSS Patronal através da Guia de Previdência Social (GPS), podendo chegar ao total de 27,8% (21% patronal + 6,8% terceiros) sobre a folha de pagamento. Esse valor geralmente faz com que o Simples Nacional, na maioria das vezes, seja o regime mais vantajoso para empresas que não se enquadram no anexo IV. 

Um dos fatores que deve também ser avaliado ao escolher o regime de tributação é o gasto mensal com empresa de contabilidade. Uma empresa no Lucro Real requer muita rigidez com os registros financeiros, acarretando em um serviço mais oneroso quando comparado à empresas no Simples Nacional e no Lucro Presumido. Entretanto, empresas nos regimes Simples Nacional ou Lucro Presumido são taxadas mesmo que registrem prejuízo no período.

Já empresas no Lucro Real recebem um benefício fiscal caso registrem resultados negativos. Logo, para negócios de grande porte que possuem projeções de prejuízo no curto prazo é mais vantajoso optar pelo Lucro Real visando utilização de crédito fiscal em anos posteriores de lucro. Outro fator positivo para as empresas no Lucro Real é o desconto relativo à dívidas. Como o valor absoluto é calculado após o abatimento das despesas financeiras, ao contrair uma dívida a empresa reduz a base de cálculo para IRPJ e CSLL. Esse benefício tributário é levado em conta para analisar a possibilidade da empresa se financiar através de capital próprio ou de terceiros e é conhecida como tax shield. 

Já para grandes empresas (com faturamento anual abaixo de R$78 milhões) com melhores margens faz mais sentido optar pelo Lucro Presumido, já que a base presumida de lucro tende a ser menor que o lucro real apurado antes do IRPJ/CSLL.

(bônus) Benefícios para o setor de infraestrutura

As deficiências da infraestrutura representam um dos grandes gargalos ao crescimento econômico do país. Reconhecendo a importância do tema, o Poder Público vem instituindo benefícios fiscais às empresas que invistam no incremento dos setores energético, de transportes de passageiros e de cargas, de saneamento básico, de irrigação e, atualmente, do segmento esportivo, turístico e de serviços.

Dos incentivos fiscais federais existentes, podemos citar:

  • REIDI
  • REPENEC
  • SUDENE

De modo geral, os incentivos buscam reduzir ou zerar os impostos federais. Os incentivos podem ser aplicados através dos impostos sobre a receita oriunda da venda de equipamentos e serviços destinados a pessoas jurídicas habilitadas ao incentivo ou através da redução dos impostos a pagar por ela. Além da obrigatoriedade da empresa optar pelo Lucro Real para a solicitação do incentivo fiscal, a sua aplicação está sujeita a região do país em que a empresa está instalada e a diversas outras condições precedentes.

Como tomar a melhor decisão?

A regra é clara, mas o cenário pra tomada de decisão é incerto. Neste momento, uma boa modelagem do negócio te coloca em um cenário mais seguro e mitiga o risco de escolhas equivocadas. Nós queremos te ajudar a tomar melhores decisões financeiras. Saiba mais aqui.

Declaração do Imposto de Renda – reduza até 12% da base de cálculo

Chegou o momento de fazer a declaração anual do Imposto de Renda e, com ela, chegam também as dúvidas: Eu preciso declarar? Como declarar? Como ficam os meus investimentos? E se eu for autônomo? Tenho algum valor a restituir? E a mais importante: existe alguma maneira legal para pagar menos imposto? A resposta é sim. Você consegue reduzir até 12% da sua base de cálculo. Continue lendo e saiba como.
 
ATENÇÃO! Em 2023, o prazo final para o envio da declaração é dia 31 de maio. A data para recebimento da restituição será de 31 de maio a 29 de setembro.

Imagem decorativa - Imposto de renda
Declaração do Imposto de Renda – Crescento

O que é Declaração do Imposto de Renda? 

O Imposto de Renda é um tributo anual obrigatório que pagamos sobre os rendimentos tributáveis que tivemos ao longo do ano que passou. A declaração do IR é o momento em que precisamos informar para o governo todo o dinheiro que entrou na nossa conta no último ano e se pagamos, ou não, imposto sobre ele. Esse imposto é utilizado para financiar serviços públicos de infraestrutura, saúde, transporte, educação e também programas sociais.  

O que ele tem a ver com minha saúde financeira?

Falar de declaração de IR pode causar arrepios em algumas pessoas já que é um assunto pouco discutido, se compararmos a outros assuntos do mesmo grau de impacto na vida do indivíduo. Claro, falar de IR pode ter certo grau de complexidade, em razão de não construirmos diálogo sobre isso, uma consequência direta do tabu que é falar sobre dinheiro.

Pense comigo: durante a nossa rotina, se nos transportamos, comemos, consumimos, vivemos, estamos pagando impostos a todo momento. O fato de ignorarmos o caminho que o nosso dinheiro trilha, muitas vezes, nos leva a pagar mais do que deveríamos. E o que é ainda pior, nos leva ao limbo no qual não fazemos ideia se pagamos demais, de menos, bem ou mal, pois não existe controle, referência, não há um plano e nem acompanhamento. 
 
A falta que um planejamento faz! Se sai do nosso bolso, causa impacto na nossa saúde financeira, logo, o assunto é importante para você. Sabemos que existem diferentes fontes de renda e cada fonte de renda se relaciona de uma forma com a Receita Federal, nos apresentando um cenário diferente:  
 
Tem fontes de renda em que o IR é descontado na fonte. Por exemplo, quem trabalha sob o regime de CLT, o desconto é feito na própria folha de pagamento. 
• Há fontes que são isentas de pagar imposto (não tributáveis). É o caso de bolsas de estudo, lucros e dividendos de empresas, doações, heranças, entre outras. 
Algumas fontes fazem um desconto prévio e ajustam a cobrança na hora da declaração: um exemplo é o resgate feito na modalidade de previdência privada progressiva. 
• Outras cobram o valor total no momento do resgate do dinheiro, como é o caso de alguns investimentos: previdências regressivas e fundo de investimento em ações.
 
Na maioria das fontes, pagamos ao longo do ano e na hora de declarar o governo junta todos os valores e avalia se você pagou mais, menos ou o valor correto de acordo com o que está na legislação. Se pagou a mais, é restituído (o governo te devolve o extra). Se pagou a menos, é hora de acertar as contas pagando a diferença. 

Quem precisa declarar? 

O IRPF é obrigatório se:
• Você recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 no ano anterior.
• Você teve receita bruta superior a R$ 142.798,50 em atividades rurais ou tinha a posse ou propriedade de bens ou direitos com valor superior a R$ 300.000. 

Importante saber: apesar de não ser obrigatório para todos, mesmo quem não atingiu o limite mínimo anual pode declarar, pois isso pode trazer vantagens como restituições ou empréstimos bancários com taxas de juros mais baixas. 

O cálculo do Imposto de Renda é feito com base em uma tabela progressiva de alíquotas (porcentagem descontada), que vai de 0% a 27,5%, de acordo com a faixa de renda. Além disso, algumas deduções (que é possível abater) são permitidas, como gastos com saúde, educação e pensão alimentícia.

Base de cálculo do Imposto de Renda
Base de cálculo do Imposto de Renda 2023

O que pode ser deduzido? 

Dedução de imposto de renda nada mais é que o que pode ser descontado da base de cálculo do IR. Existem duas maneiras de dedução: gastos dedutíveis e dedução do imposto a pagar.

Gastos dedutíveis: a receita reduz da base de cálculo do imposto, ou seja, o que você declarar aqui é reduzido do montante onde será aplicada a alíquota. São gastos com saúde, educação, dependentes, previdência privada (confirmar se é PGBL na completa) e contribuição do INSS.

Dedução do imposto a pagar: reduz direto do valor do imposto a ser pago. Acontece em alguns casos específicos de doações e sublocações.

Completa x Simplificada

Uma grande dúvida de quem vai declarar seu imposto de renda é: qual das duas escolher? É preciso entender como funciona cada uma.

Simplificada

Como o próprio nome já diz, a simplificada é um modelo mais simples de declaração. Uma das principais características é que nela, a receita aplica um desconto padrão de 20% na renda tributável. O governo deduz que, no ano-calendário, você gastou 20% com saúde, educação, transporte público, etc. É mais vantajosa para quem não teve muitas despesas dedutíveis o que aumenta a sua possibilidade de restituição (devolução do que você pagou de imposto extra).

Completa

Na declaração completa, é possível incluir todas as despesas dedutíveis, como saúde, educação e pensão alimentícia, reduzindo a base de cálculo do imposto (porcentagem de imposto que será aplicada). Na modalidade de declaração completa é necessário apresentar a comprovação fiscal de todos os gastos e guardá-las por ao menos cinco anos. Além disso, o investimento em previdência privada PGBL também pode ser deduzido da base de cálculo do IR. 

Qual escolher?

Em alguns casos, a declaração completa pode ser mais vantajosa, principalmente para quem tem muitas despesas dedutíveis ou tem dependentes para declarar. Em outros casos, a declaração simplificada pode ser mais adequada, especialmente para quem tem poucas despesas e não costuma guardar o comprovante fiscal dos gastos dedutíveis. 

Antes de escolher entre a declaração completa ou simplificada, é importante fazer os cálculos e avaliar qual opção é melhor para cada caso. É possível simular a declaração nos programas da Receita Federal para ver qual opção é mais vantajosa para você, pagando menos impostos ou aumentando a restituição a receber.

E como funciona para quem é autônomo?

As regras de obrigatoriedade são as mesmas mas, aqui vai um alerta: a declaração de imposto de renda pode ser um pouco mais complexa para profissionais autônomos, já que estes não têm o imposto descontado na fonte – como é o caso de trabalhadores inscritos na modalidade CLT. Além disso, profissionais liberais e autônomos, que trabalham como pessoa física, prestando serviço para outras pessoas físicas com emissão de recibos em seu CPF, estão obrigadas a preencher mensalmente o carnê leão. O não cumprimento dessa obrigação pode resultar em multas e penalidades.

O profissional autônomo também têm despesas que podem ser deduzidas na declaração de IR, desde que estejam diretamente relacionadas à atividade profissional exercida:

• Gastos com aluguel de escritório;

• Equipamentos;

• Honorários de contabilidade;

• Previdência e outros.

Essas despesas precisam ser comprovadas com documentos fiscais. Quando comprovadas a dedução reduz o valor do imposto devido e aumenta a restituição.

Tem mais de uma fonte pagadora? Cuidado para não ser pego desprevenido!

Quem tem mais de uma fonte pagadora, costuma enfrentar o seguinte problema: no mês a mês não sofre nenhum desconto de IR por receber vários pagamentos que podem estar abaixo do mínimo ou em uma faixa mais baixa de tributação. Acontece que, quando somados, o montante se torna tributável ou já se encaixa em uma outra alíquota. Sendo assim, se faz necessário pagar um valor diferente de imposto. No momento de fazer a declaração descobre que tem um valor extra para pagar e isso não estava nos planos. Caso não tenha organização financeira e planejamento, poderá ficar no aperto de ter que desembolsar uma grana de uma única vez.

 

Fazer a declaração do imposto de renda também faz parte do planejamento financeiro. Se o planejamento está em dia, você já provisionou e não tem surpresas e nenhum valor a pagar fora do esperado. Evite surpresas desagradáveis.

 

Como pagar menos imposto de renda?

Uma alternativa para melhorar a eficiência tributária é a contratação de uma previdência privada. O Governo permite que você invista até 12% dos seus ganhos em planos de previdência privada, no formato PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), no caso de quem faz a declaração completa. Isso significa não pagar imposto sobre esse dinheiro no momento do investimento. Neste caso, você só pagará imposto anos depois ao retirar o valor investido. Além disso, a alíquota do resgate da previdência pode chegar a 10%, o que pode ser um cenário vantajoso para quem pretende pagar menos imposto e manter um padrão de vida na aposentadoria.

Ficou com alguma dúvida, precisando de ajuda? Conte com a gente! Podemos te ajudar com o seu Planejamento Financeiro e Gestão de Investimentos. Na Crescento, não prestamos o serviço de contabilidade. Quando o assunto é declaração do Imposto de Renda, conseguimos te apoiar de maneira estratégica, nos seus planos futuros, se prevenindo de surpresas desagradáveis, considerando suas necessidades e contexto. Chama a Belle no WhatsApp, seja pra pagar menos Imposto de Renda no ano que vem, garantir uma aposentadoria mais confortável ou planejar aquela viagem de férias. 

Para ficar de olho  

A Reforma Tributária é um tema que tem sido amplamente discutido no país. O objetivo do debate é simplificar o sistema tributário e torná-lo mais eficiente. No entanto, ainda não existe uma definição clara sobre as mudanças que serão implementadas e seus impactos. 

Entre as propostas em discussão, estão a unificação de impostos, como o PIS e a Cofins, a criação de um imposto sobre valor agregado (IVA), a redução de alíquotas e a revisão das deduções permitidas. É importante ficar atento às mudanças e entender como elas afetarão sua situação financeira. Para ficar por dentro das novidades e do que temos feito e discutido aqui na Crescento, acompanhe a gente nas redes sociais!

Educação Corporativa e a Gestão do Conhecimento 

Educação Corporativa e a Gestão do Conhecimento 

Vivemos em um contexto social e mercadológico cada vez mais complexo. As empresas já perceberam que não basta oferecer um salário ok e benefícios complementares para conquistar o engajamento no trabalho. É preciso olhar para o indivíduo. A globalização atua de forma mais intensa, trazendo inovações tecnológicas que impactam diretamente nos setores de atuação e nas necessidades do mercado. Além disso, novos valores pessoais se tornaram a preocupação das organizações (diversidade, sustentabilidade e qualidade de vida no trabalho) e contribuem, constantemente, para que um novo paradigma seja construído.

É neste contexto que a valorização da educação e o desenvolvimento pessoal se torna essencial para que o indivíduo garanta a sua empregabilidade no mercado, as organizações se mantenham competitivas e consigam atrair/reter talentos.

 

Mas o que é Educação Corporativa?
Se trata de um conjunto de modalidades que incentivam o desenvolvimento da análise crítica dos colaboradores tanto para a execução das suas atividades na organização quanto para o aumento da qualidade de vida e bem-estar no trabalho. 

Ao longo dos anos, a Educação Corporativa vem tomando diferentes formas, causando diferentes impactos no crescimento organizacional e afetando a estrutura da Gestão do Conhecimento. Sendo assim, os benefícios de sua aplicação e estruturação vão além da sua percepção tradicional.  

Podemos ter em mente alguns impactos que podem surgir de uma educação corporativa bem estruturada. Primeiro ponto: ela auxilia na transmissão e compartilhamento do conhecimento. Segundo fator: ela é responsável pelo desenvolvimento de habilidades que tornam os colaboradores aptos a exercerem suas funções com excelência.

 

E como isso afeta as empresas?  

Uma pesquisa aplicada nos Estados Unidos pela American Society for Training and Development (ASTD) teve como objetivo identificar se os investimentos em treinamentos em um ano afetavam o retorno total do acionista de uma empresa durante o ano seguinte. Os resultados apresentados nos demonstraram que as organizações que mais investiam em educação corporativa tiveram um retorno de 36,9% no mesmo período em que a S&P500 obteve um retorno de 25,5%. Além de aumentos significativos na margem de lucro e na renda por funcionário.

Portanto, os pesquisadores concluíram que se os investidores obtivessem informações a respeito dos gastos em treinamentos, isso poderia, teoricamente, auxiliar na tomada de decisão para obter retornos acima da média. Entendemos que estes números não existem por si só. Imaginamos que uma empresa que investe em educação corporativa, invista no colaborador em diferentes frentes e o conjunto da obra resulte em um funcionário mais engajado e que entrega melhores resultados. Ressaltamos que a Educação Corporativa vai além da capacitação tradicional do colaborador. 

 

Quando as organizações começaram a investir em capacitação para melhorar o desempenho das atividades? 

Não existem registros que comprovem o ano exato em que Educação Corporativa se tornou uma preocupação, mas alguns historiadores compreendem que antes da primeira revolução industrial já existiam empresas artesanais que se dedicavam a capacitar novos colaboradores com o intuito de manter a qualidade do serviço.

 

Por exemplo, um padeiro faz pães e bolos. A sua maneira de fazer junto com a receita utilizada era responsável pela qualidade do produto que a padaria oferecia. Sendo assim, caso o padeiro precisasse se afastar do ofício, o nível de entrega da padaria iria cair em conjunto, surgindo a necessidade de que um aprendiz herdasse a técnica de execução para que a qualidade se mantivesse. 

 

Na década de 1920, a General Motors elaborou o primeiro programa de educação corporativa focalizado no treinamento e desenvolvimento dos seus colaboradores. Muito apoiado na premissa do Taylorismo, onde o foco estava em capacitar o trabalhador a executar a sua tarefa com precisão. Na visão de Taylor, o bom operário era aquele que executava suas tarefas exatamente como lhe são ensinadas por seus supervisores, sem preocupar-se em entendê-las, questioná-las ou até aperfeiçoá-las.

 

Em meados de 1950, a General Electric criou a primeira Universidade Corporativa Institucionalizada com o objetivo de melhor capacitar e desenvolver seus líderes e colaboradores. A década de 1980, o conceito de Sociedade do Conhecimento surgiu com os primeiros estudos sobre Educação Corporativa. Neste momento, o conhecimento acumulado pelas organizações passou a ser um meio de gerar valor nos produtos e serviços.

 

“O conhecimento passou, então, a ser percebido como a maior fonte de riqueza e diferenciação dos indivíduos, das organizações e dos países. O domínio de formas eficazes de gerenciamento desse novo ativo torna-se, portanto, indispensável.” – Peter Drucker

 

Neste momento, o know-how das organizações passaram a expressar o seu valor como um ativo pertencente ao balanço patrimonial da empresa. Nos dias atuais, além do desenvolvimento de modalidades que auxiliem no crescimento da Educação Corporativa, a influência da Gestão do Conhecimento passou a ter um valor essencial para que a educação seja passada para as novas gerações.

 

Educação Corporativa na prática 

Existem diversas modalidades de educação corporativa, mas as principais são: 

  • Treinamentos – Aplicações de cursos e workshops sobre um assunto específico que auxilie o colaborador na execução de sua função na organização; 
  • Educação Regular – Incentivo e disponibilidade para que o colaborador busque capacitações que melhore seu desenvolvimento, como fazer uma pós-graduação ou conquistar uma certificação específica da área; 
  • Programas Culturais – Compartilhamento de conhecimentos por meio da socialização, derivado da leitura de livros, assistir filmes ou debater assuntos que amplie as informações disponíveis de cada um; 
  • Mentoring – Mentorias aplicadas por profissionais sênior do mercado para auxílio de profissionais juniores e menos experientes; 
  • Cursos Livre – Incentiva da organização para que os colaboradores aprendam habilidades de seu interesse, que não necessariamente impactaria na sua produção, mas sim no seu bem-estar. 
  • Rotação de Cargos – Oportunidade de atuar em novos projetos ou setores para o desenvolvimento de habilidades interdisciplinares; 
  • Programa Trainee/Estágio – Oportunidade de inserção de novos profissionais no mercado de trabalho ou na organização; 
  • Gestão Participativa – Atuação de toda ou grande parte da organização na tomada de decisão e definição das metas, valores ou objetivos da empresa. 

Tendo em mente essas modalidades, podemos dividir as organizações em quatro níveis relacionados a quanto investem em capacitação: 

  • Nível 0 – Não Investe 
  • Nível 1 – Investe apenas em treinamentos, de forma não sistemática e sem maior controle dos resultados que a modalidade emprega; 
  • Nível 2 – Investe apenas em treinamentos, atuando de forma planejada. Possui controle do impacto que a modalidade atua na organização, mas não diversifica a educação em outros modelos; 
  • Nível 3 – Investe, de forma sistemática, em diversas modalidades de educação corporativa. 

 

Gestão do Conhecimento 

Para começar, devemos quebrar a ideia de que o gerenciamento do conhecimento é baseado somente na repetição de comportamentos aprendidos por meio de um treinamento ou leitura em um banco de dados. 

“O foco de uma Gestão do Conhecimento baseada na modelagem de comportamentos, privilegiando a capacidade de observação e repetição, é insuficiente. A Gestão do Conhecimento deve ser designada para o desenvolvimento da inteligência” – Marin (2000) 

Uma gestão de conhecimento eficiente deve alinhar o conceito de Educação Continuada para que se rompa com os paradigmas tradicionais. A gestão do conhecimento deve focar em desenvolver o indivíduo de forma ampliada, aumentando a sua capacidade crítica e contribuindo para o seu crescimento pessoal e profissional e incentivando os indivíduos e a organização a sempre buscarem fontes que proporcionem facilidade na quebra de padrões, mudanças de ponto de vista e reorganização de sistemas. 

O que é esse conhecimento que deve ser gerenciado?
A partir de um conjunto de dados, formulamos uma informação e transformamos em conhecimento a partir de um conjunto de experiências e habilidades. Conhecimento é informação tratada. Existem dois tipos de conhecimento:  

Conhecimento Explícito: é o conhecimento adquirido por meio de livros, teorias e informações registradas, sendo facilmente transmitido e adquirido pelo seu usuário. Porém, limita-se a aplicação da teoria nem sempre se adequar a todos os contextos práticos.

Conhecimento Tácito: resume-se ao conhecimento adquirido por meio da prática, incorporado em situações vivenciadas pelo individuo em sistemas ou processos produtivos organizacionais. Limita-se na sua dificuldade em ser adaptado a situações que fogem da original que gerou aquele conhecimento, além de depender do usuário para a compreensão dos contextos que o faz ter sentido. 

Esses tipos de conhecimento atuam de forma conjunta e formulam diferentes situações que geram novas formas de transmitir habilidades:  

  • Tácito + Tácito – Socialização 

Por meio do compartilhamento de aprendizados do dia a dia, os colabores podem transmitir conhecimento tácito aos seus colegas de trabalho. 

  • Tácito + Explícito – Externalização 

A transformação do tácito para o explicito por meio do seu estudo sistemático e definição dos condicionantes. Rompendo o limite do conhecimento tácito. 

  • Explícito + Explícito – Combinação 

União de diversos conhecimentos explícitos, integrando saberes multidisciplinares. Por exemplo: uma equipe formada por administradores, engenheiros, contadores e advogados contribuindo com suas especializações para o desenvolvimento de um projeto. 

  • Explícito + Tácito – Internalização 

Transformação do explícito para o tácito por meio da execução prática de um conhecimento teórico. 

Podemos concluir que a Gestão do Conhecimento deve ter o objetivo de gerar a Educação Continuada nas organizações e favorecer com que os indivíduos de adaptem, caso necessário, a mudanças, quebra de padrões e reorganização de sistemas.

Por fim, existem diversas modalidades de Educação Corporativa e de Gestão do Conhecimento, o importante é que as tarefas tenham como objetivo o desenvolvimento de habilidade crítica e incentive a busca por novos conhecimentos. Nem todas as habilidades são destinadas a desenvolver somente inteligência, mas algumas poderão estar alinhadas aos objetivos da gestão de pessoas e incentivarem no bem-estar e na qualidade de vida do trabalhador.